segunda-feira, 12 de março de 2012

CAPÍTULO 3


Condomínio - bloco 3 - 21:50 - 24/02/2012

A mãe do garoto saltou pra cima do Rafael jogando ele no chão. Ela ficou em  cima dele tentando mordê-lo, mas Bianca puxou os cabelos da mulher jogando ela escada abaixo.

Yan : Caramba garota,  como foi que você fez isso?

Bianca : Anos te prática. Se esqueceu que eu brigo com a Fernanda quase sempre?! As vezes palavras não adiantam, então tem que ser a base do tapa.

Rafael : Obrigado Bianca. Se não fosse por você eu estaria morto.

Bianca : Que nada, deixa pra lá.

Rafael olhou para o menino sentado no chão e perguntou:

Rafael : Ei! Qual é o seu nome?

------ : Leonardo.

Rafael : Quantos anos você tem?

Leonardo : Quinze.

Rafael : Então, seja bem vindo ao nosso grupo.

Leonardo : Então tem mais gente?

Rafael : Sim, tem mais algumas pessoas. 

Yan : Pessoal, vamos logo! Temos que ver se acho mais coisas úteis aqui neste bloco.

Bianca : Concordo.

Leonardo : Eu posso pegar algumas coisas no meu apartamento?

Rafael : Vai, mas não demore muito.

10 minutos depois.

Veio o Leonardo com uma mochila e com um taco de basebol na mão.

Rafael : Ei! O que você acha que vai fazer com isso?

Leonardo : Vingar a morte da minha mãe.

Rafael : Você está muito novo pra pensar em vingança menino.

Condomínio - bloco 1 - 22:00 - 24/02/2012:

Juliana e Lucas estão subindo as escadas quando chagam ao terraço e notam a catástrofe que está lá fora. Carros virados, corpos no chão, pessoas correndo, prédios pegando fogo. Está tudo uma bagunça lá fora.

Juliana : Meu Deus! Em todos os meus anos de trabalho, eu nunca vi tanta gente morta.

Lucas : Pior eu, que nunca vi ninguém morto, ainda mais agora que eles morrem e voltam a vida.

Juliana : É triste saber que isso não esta acontecendo só aqui.

Lucas : Mas, e se isso se alastrar para o mundo todo, o que vai ser da gente?

Juliana : Não sei Lucas. Eu realmente não sei.

Lucas : Nós temos que ligar pra polícia ou para o exercito.

Juliana : Você realmente acha que eles vão correr o risco de perder as suas vidas para nos salvar?

Lucas  : Eu não sei. Você e seu irmão são policias, têm direito a isso.

Juliana : Lucas, deixa eu te contar uma coisa. Quando eu fui para o aeroporto pra tentar conter a infecção, todos os policias ali já estavam mortos, menos eu e meu irmão. Alguém jogou um gás de fumaça e eu desmaiei, não consegui achar o Rafael. Eles me deixaram lá pra morrer. Não foi um acidente, eles simplesmente me deixaram lá, mas eu consegui fugir por um duto de ventilação, e agora estou aqui.

Lucas : Nossa, mas você não procurou eles depois disso tudo?

Juliana : Não! Eu não quero vingança, só queria ver meu irmão de novo. 

Lucas : É, entendo. Então vamos descer e esperar os outros lá em baixo.

Juliana : Vamos! Já ta muito escuro aqui em cima.

Condomínio – bloco 1 - 22:00 - 24/02/2012:

Marcelo e Fernanda notam o corredor cheio de infectados, comendo o que restava dos moradores daquele bloco. Com o grito de Fernanda eles olharam pra ela e começaram a correr em direção há eles. Fernanda pegou a arma, mas não conseguiu atirar. Ela não disparava. Marcelo puxou ela pelo braço e eles começaram a subir as escadas, correndo dos infectados atrás deles. Chegaram no último andar e viram uma porta aberta. Entraram dentro do apartamento que estava aberto e ligaram a luz.  O apartamento estava coberto de sangue, mas era o único lugar para eles ficarem. Eles fecharam a porta com uma cadeira que estava do lado e até que Marcelo falou:

Marcelo : Fala sério! Ele deu uma arma ruim pra gente.

Fernanda : Essa não é a questão. A questão agora é que é que estamos presos aqui. Aqueles infectados vão abrir a porta em segundos.

Marcelo vai até a janela e olha a piscina com um olhar imaginativo, como se acabasse de ter uma ideia.

Marcelo : Fernanda, já sei o que agente vai fazer!

Fernanda : O que?

Marcelo : Pular na piscina daqui de cima.

Fernanda : Você ficou louco! A bebida deve estar fazendo efeito em sua cabeça.

Marcelo : Isso é sério. Se pularmos daquela janela ali, vamos cair direto na água.

Fernanda :  Não vou pular! Prefiro morrer aqui dentro!

A porta esta quase se abrindo.

Marcelo : Anda logo. Vamos, é nossa única opção.

Fernanda : Não! Não posso fazer isso!

A porta de abre e começa a entrar vários infectados. Marcelo puxa Fernanda pela cintura e se joga na piscina com Fernanda agarrada a si. Eram mais de quinze metros. É o mesmo instante em que Lucas e Juliana estão saindo do bloco 2.

Lucas : Mas que merda é essa!

Juliana : Vamos ver o que aconteceu.

Marcelo e Fernanda caem com tudo bem no meio da piscina. Alguns infectados pulam logo atrás, alguns caíram na borda e se quebraram todo, outros caíram dentro da piscina com eles.

Marcelo : Nade Fernanda! Nade rápido!

Ele e Fernanda nadam rápido e conseguem sair da piscina. Juliana e Lucas chegam.

Juliana : O que aconteceu?

Marcelo : Acontece que o seu irmão nos deu uma arma ruim. Entramos no bloco dois e tinha um corredor cheio de infectados. Nós corremos até o último andar e vimos um apartamento com a porta aberta. Entramos, mas os infectados vieram atrás e a porta não aguentou e os infectados entraram e tivemos que pular para escapar.

Fernanda : Essa foi a pior ideia que você já teve – diz Fernanda dando um tapa na cabeça de Marcelo.

Juliana : Deixe-me ver a arma.

Marcelo entregou a arma para Juliana. Ela analisou e então falou:

Juliana : A arma está boa. O que aconteceu com ela?

Marcelo : Ela não queria disparar.

Juliana: você destravou ela?

Marcelo : E ela tem uma trava?

Juliana : Sim, bem aqui em cima – falou Juliana mostrando-o a trava.

Marcelo : Isso explica porque não atirava.

Juliana : É! Antes te falar merda, verifique a arma primeiro.

Marcelo : Ok!

Lucas : Ei pessoal! Olha aquilo ali.

Lucas apontou para os infectados que caíram na beira da piscina. Eles estavam todos quebrados, mas continuaram a se mexer e a tentar chegar perto deles.

Juliana : Eu resolvo isso.

Juliana pegou a sua arma, andou até os infectados e deu alguns tiros em suas cabeças. Matou-os definitivamente.

Lucas : Por que os que estavam na piscina não tentaram nadar?

Marcelo : Acho que eles não sabem.

Condomínio - bloco 3 - 22:45 - 24/02/2012:

Rafael : Escutaram isso?

Yan e Bianca : Sim!

Rafael : Acho que foram tiros.

Leonardo : Sim! Isso foram tiros.

Rafael : Eles devem estar precisando de ajuda.

Descemos as escadas o mais rápido possível e chagamos até em baixo.

Rafael : O que houve aqui?

Juliana : Nada! Bem, Marcelo e Fernanda pularam do décimo quinto andar e caíram na piscina trazendo com eles alguns infectados, mas eu já cuidei de tudo.

Rafael : E você diz que isso não foi nada Juliana! Eles podiam estar mortos –falou Rafael andando até Marcelo e Fernanda que estavam sentados em um banco.

Rafael : Vocês estão bem? Foram mordidos?

Marcelo : Não, estamos bem, eu só estou sentindo um pouco de dor na minha perna, mas está tudo bem.

Rafael : E você Fernanda?

Fernanda : Também estou bem!

Juliana : Quem é esse garoto aí?

Yan : Esse é Leonardo.

Leonardo : Oi!

Juliana : Olá!

Rafael : Acharam algum sobrevivente?

Marcelo e Fernanda : Não.

Juliana e Lucas : Também não.

Rafael : Então vamos subir para apartamento.

Continua ...

4 comentários:

  1. corrigindo dois errinhos que pode passa despercebido e confundi alguem,nao to criticando os erros só to corrigindo pra que ninguem intenda a idéia do autor errado :A porta de abre e começa a entrar vários infectados. Marcelo puxa Fernanda pela cintura e se joga na piscina com Fernanda agarrada a si. Eram mais de quinze metros. É o mesmo instante em que Lucas e JULIANA estão saindo do bloco 2.

    Marcelo e FERNANDA caem com tudo bem no meio da piscina. Alguns infectados pulam logo atrás, alguns caíram na borda e se quebraram todo, outros caíram dentro da piscina com eles.

    ResponderExcluir
  2. show cara, ta boa demais,quando sai proximo post?

    ResponderExcluir
  3. Curti, continuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  4. proximo domingo
    entrem no grupo do facebook
    http://www.facebook.com/groups/392056894143749/

    ResponderExcluir